terça-feira, 30 de agosto de 2016

da raça humana. no seu lado mais negro.


duas pessoas.
um homem. uma mulher.
podia ser em qualquer ponto do globo.
é num dos lugares mais proscritos num dos países mais pobres do mundo.
um bordel em Bangladesh.
em fotos. AQUI.

Nel mezzo del cammin di nostra vita / mi ritrovai per una selva oscura / ché la diritta via era smarrita


esta imagem super poderosa de Niels Bo Bojesen acompanha o artigo "Nada pára a máfia. Nem os sismos", que pode ser lido no COURRIER INTERNATIONAL.
fazer negócio com a dor de alguém. com a desgraça de muitos. fazer negócio. é o negócio da máfia.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

So let them build their righteous Tower / Our blazing hearts will burn it down / We are, we are, soldiers of the light / And we will glow


dúvidas que me assistem

desde quando é que as toalhas de praia passaram a ser redondas?

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

fraude nos estágios do IEFP

não, isto não é só ilegal. isto é aberrantemente amoral.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

"o passado é o sítio mais perigoso"

(por falar em crueza...) Dulce Maria Cardoso, em entrevista a Fernanda Câncio, AQUI

perdoem-me a crueza, mas não há outra forma de por isto

Fonte: CNN

humans, we need to stop this right now

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

(not that) silly (season) question

pára* tudo!!!...

 

... este ano ainda não comi FIGOS!!!



* (não me lembro se este blog já adoptou ou não o acordo ortográfico ou se alguma vez irá adoptar - aparentemente não... -, mas se há palavra que me faz mesmo muita confusão ter perdido o acento é esta forma verbal do verbo "parar", na medida em que empanca a leitura, pelo que assim continuarei a escrever, pedindo desde já desculpa pela falta de coerência, mas é o que temos por agora...)

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

time for... repost #8

porque agora com a Maria, a história repete-se...

É preciso dar banho aos miúdos todos os dias?

Obrigada João Miguel Tavares por trazeres este tema à luz do dia!

O M. vai fazer 4 anos em Dezembro e é prática lá em casa, desde que nasceu, tomar banho dia-sim-dia-não. É óbvio que já morri de vergonha das vezes que ele em público me pergunta "mãe, hoje é dia de tomar banho?", precisamente porque estamos formatados, lemos todos pela mesma cartilha e ai de quem se atreva a questionar. Lá em casa seguimos sempre esta regra do dia-sim-dia-não e sempre nos demos bem, especialmente porque o M. tem pele atópica e banhos a mais - pasmem-se! - não são benéficos para a pele, especialmente se for atópica. A pediatra concorda. É óbvio que se houvessem fugas na fralda ou se transpirasse imenso ou até se despejasse a sopa por cima dele não ia ficar sem tomar banho simplesmente porque era dia-não! Sempre disse que quando entrasse para a escola, passaria a tomar banho diariamente, mas a verdade é que nem sempre se justifica... De salientar que o M. é um miúdo que adora tomar banho, não tem qualquer fobia a esse nível e que esta rotina faz sentido para ele e para nós.  Como sempre, bom-senso é o que deve imperar, bem como flexibilidade e capacidade de ir ajustando às necessidades do dia-a-dia e de cada criança. É a fórmula que mais fizer sentido para cada tipo de família (e de pele, neste caso!) que conta!

time for... repost #7

porque sinto, amiúde, saudades do Shantaram. porque preciso desesperadamente de bons livros para ler (o exemplar aqui do lado direito vai ter que ficar, para já, a meio... mãezinha e Eduardo Sá que me desculpem, mas não me está a transmitir nada...)


 
o livro que estou a ler é realmente das coisinhas mais fascinantes que já me passaram pelas mãos e pelos olhinhos. o facto de ser sobre a Índia é, desde logo, cativante e os relatos incríveis da vida naquela país (nomeadamente na cidade de Bombaim) deixa-me ainda mais com a certeza de que, para já, não tenho estômago para viajar até lá. o ritmo da escrita é para lá de incrível... a par das descrições espectaculares dos cenários em que a acção decorre e das personagens, está sempre a acontecer qualquer coisa de extraordinário! quando achamos que vai acalmar... pumbas... lá vem um acidente de táxi, um incêndio na slum, um banquete num arranha céus em construção ou um urso amestrado que precisa de um abraço... mais, os ensinamentos em termos de relações humanas também não foram esquecidos, com uma panóplia de sentimentos a serem descritos de forma ímpar pelo autor. sei que tenho livro até ao Natal (ainda não cheguei a meio. são 900 e tal páginas de letrinha miudinha) e ainda bem porque este é daqueles que me vai deixar órfã durante uns bons tempos (apesar de já ter obras bem boas em lista de espera).

terça-feira, 16 de agosto de 2016

o que cabe num fds grande

uma sardinhada. tempo em família. uma muito boa notícia. uma ida ao Oceanário. hamburgers do Honorato. passagem da Maria para o carrinho de passeio dos meninos crescidos. bisa mais querida a dar almoço e banho à pequena. ida ao quartel de bombeiros do bairro deixar água, leite, barritas energéticas e um gigante obrigada. mergulhos e "judo aquático" na piscina. 7 meses de Maria. Manel a "ler" imensas palavras novas. jantar no japonês. passeios de mini.